17 de set de 2012

Do quarto.

Elo sem zelo
Fogo e anseio
Tormenta maldita.

Do que me pertence:
O sangue em suas lágrimas
A paixão em seu silêncio
O sóror... A sua paz.

Minhas estrelas em sua boca
Minhas geometria em suas mãos
E a sina, doce maresia.

O agora não têm hora,
Mas não precisa teimar.