21 de set de 2012

Do exílio, 07/12/1930

Mais um luar rompe o céu inocentemente estrelado, e minha dor resplandece.

Hoje, minhas frias mãos enlaçadas não puderam causar canções. Um belo sorriso suturado diabólicamente e meu corpo invadido em torpor... Não, meu espírito continua aqui. Surpreendente, como uma flor de lótus.

O que ainda ergue meus sonhos é acreditar na minha força, e que minha resolução será madura e decisiva. Meus algozes serão presenteados com minha fúria.

Escrevo esta em especial para registrar aqui o início de minha luta. Minha mente fervilha, e meu corpo transpira veneno.