27 de jul de 2012

Paralelos

... E seguimos.
Nestes traços tortos, passos mortos...
Passo desajeitado, errado.

Vida intrometida esta, que dilacera e deixa marcas...
Certeza de que este não era o plano inicial.
Não queríamos assim.

Já não há mais batimentos
Nem espaço para suturas.
Resta o soror ao meu sorriso.

De quando nos perdemos, você levou o meu melhor
E nem disse o porque.
Então
Lágrimas secas, lábios em sangue, peço:
A minha liberdade?