2 de jun de 2004


Pois então. A rapadura é doce, mas não é mole não!


A apresentação foi ótima. Estávamos mais unidos, as músicas saíram da partitura e começaram a tomar corpo. O Coral começa a ganhar novas pernas e reaprender a andar. Será que todas as promessas feitas ao maestro realmente serão cumpridas?

O coralista deve ser fiel, assíduo e responsável, comprometido com seu instrumento. Gostaria que todos nós como um grupo estivéssemos em pleno acordo... Bom, o início foi superado, agora é entregar-se de corpo e alma para que o nosso trabalho tenha propriedade, assim como fala nosso maestro Zé Luiz.

Cantar com propriedade. Isso!

Passado este fim de semana tri legal, com direito a babação dos pais corujas, churrasco na casa dos tios no Guará e depois o churrasco do coral (Chural) e mais confusões afins (heheh), espero que eu melhore desta gripe. Ô sina infeliz, mú Deus!

Agora se quiserem me encontrar estou a semana toda no Paranoá, substituindo uma facilitadora que se casou e está em lua de mel. É longe, muito longe... 1h30 de casa, que absurdo! Mas é só esta semana, que bom =)

Tenho que dormir... Não é mole não, hein! O_o'

Ps* Beijo pra Yoko, aquela que esqueceu de me mandar beijo no blog dela ¬¬'... Ah, e feliz aniversário de namoro!