27 de nov de 2003

Lá fora, nos pântanos tempestuosos, nós poderíamos girar e cair no gramado... Mas você tinha um temperamento, assim como meu ciúme. Ardente demais, ávido demais.

Como você pôde me abandonar quando eu mais precisava lhe possuir? Eu te odiei... E eu lhe amei também.

Pesadelos à noiteme revelaram que eu perderia a briga e deixaria para trás meus tempestuosos, tempestuosos morros.

Venha para casa... Sinto tanto frio! Me deixe entrar em sua janela...

Está escuro e solitário no outro lado longe de você... Eu sinto saudade, eu noto que o destino é um fracasso sem você. Estou voltando, amor...

Cruel... Meu único sonho, meu único senhor.

Há muito tempo eu vagueio pela noite, mas agora estou voltando para o seu lado, para consertar isso. Estou voltando para casa, para os morros tempestuosos.

Sou eu, venha para casa... Sinto tanto frio! Me deixe entrar em sua janela.

Me deixe possuí-lo, me deixe levar sua alma embora. Você sabe que sou eu! Você sabe... Venha para casa.



Minha adaptação da música de Kate Bush, Wuthering Heights.

Well, a Yoko convidou algumas pessoas para escrever uma coluna no Vitrine Elaborada... escreverei na terça, será interessante... apareçam!!