21 de ago de 2003

Time, Time, Time... Eu quero um pouco para viver!

Da faculdade para casa, da casa para faculdade... mas é o curso que eu amo, então estou satisfeita.

Presentinho da minha maninha Ana::



Te amo querida, brigadão!!

Sabe, queria retratar aqui um pensamento que estava me ocorrendo...

Rancor. O que seria o rancor? Palavra de cunho pesado... fácil de guardar, difícil de lidar... que só traz energias negativas ao nosso corpo, já tão debilitado por conta dos desgastes diários... E o que nós ganhamos com isso? A restauração do nosso orgulho? O bem estar consigo mesmo? Ou mais um sentimento a se administrar, no meio de tantos - confusos - que temos?

Ah espelho espelho meu, diga-me quais deste defeitos que aponto no outro não são os meus? Diga-me!! Posso atirar a pedra em alguém? Ou corro o risco de ser apredejada também?

É tão mais fácil eu sentir amor pelo meu próximo... é menos trabalhoso (e doloroso também).

Eu me liberto disso. Menos um nó em minha concepção quanto pesssoa e futura psicoterapeuta...

E deixo a brisa soprar por estes ares... que ela traga anjos (e realmente ela está me abençoando), em vez de demônios tentadores...

Ps* Quer saber de uma coisa?? Namoro a distância sim, e eu acredito, sabe porque?? porque ele É O HOMEM DA MINHA VIDA e eu vou me casar... eu o amo mais do que qualquer casal que se veja todos os dias, e me orgulho disto.

Eu encontrei neste site. Para quem não acredita em nós dois::

Namoro à distância

(...) A questão é que um namoro a distância não é compatível com os ideais do amor romântico, que todos aprendem a desejar. Esse tipo de amor prega, entre outras coisas, que a pessoa amada é a única fonte de interesse e que nada na vida tem graça se ela não estiver presente. Além disso, surge grande insegurança. Ser trocado por quem estiver por perto é uma ameaça constante. Depois de passar pela infância e adolescência, supõe-se que se atinge a idade adulta com um grau de independência elevado. É comum as pessoas imaginarem que estão superadas todas as dependências que tinham da mãe, quando crianças. Entretanto, não é isso o que ocorre.

Um namoro a distância pode ser ótimo, se as pessoas envolvidas tiverem expectativas bem diferentes. Em primeiro lugar, não pode haver controle, ciúme, possessividade, ou dependência de qualquer tipo. Os dois só mantêm a relação porque se amam e sentem muito prazer quando estão juntos. O que se privilegia é o momento do encontro, que pode ser intenso e profundo.

Um dia encontrei este botton... interessante.