6 de dez de 2008

Flor Bela

Florbela, minha castelã.

Somos irmãs,
Almas renascidas que padecem e choram a mesma dor. Um amar incessante... Amar inconstante.

Ah, meu doce caminho...

Triste alma incompreendida
Doces lábios... Perigosos!
Não sabe o que diz,
Não sabe o que toca
- Mal sabe do teu fim!